O carro do ovo passa pelas ruas aqui de São Paulo anunciando seus 30 ovos extra brancos por 12 reais, ao estilo antigo do carro da Pamonha, lembram?

Da janela de meu apartamento eu escuto seu auto-falante ao longe anunciando o produto e minha mulher me diz “corre lá e compra”.

Então eu desci pelo elevador e ao chegar à rua ouvi o carro ao longe, ela havia passado pela minha porta e seguiu pela rua virando a esquina.

Segui atrás, pensando que ele iria parar na próxima rua e o som foi desaparecendo e sumiu. Voltei pela minha rua e ouvi novamente o som do auto-falante se aproximando e vi o carro do ovo entrando na minha rua novamente no sentido contrario e fui de novo atrás dele.

Novamente o som sumiu junto com o carro e voltei para casa sem ovo.

Como é que alguém pensa em vender alguma coisa na rua se não estaciona para que as pessoas possam comprar?

O carro passou por diversas ruas à nossa volta, anunciando seu produto e não parou em momento algum. Depois o vendedor vai voltar para sua casa e dizer que as vendas foram fracas.

Vai dizer para a mulher que nesse dia as pessoas saíram para viajar ou outra desculpa qualquer.

Imagino a esposa lhe perguntando quanto tempo ele ficou estacionado e ele respondendo que “sim, claro, parei o carro um tempão e não veio ninguém” porque ele não é bobo de discordar da mulher.

Nesse momento da resposta tenho certeza que ele pensou “Ué, tinha que parar?” Fiquei indignado, sem os desejados ovos e o vendedor voltou para a casa com as vendas fracas. Será que quando anunciamos um produto que temos para vender, nós agimos como o motorista do carro do ovo?

Anunciamos, apresentamos o produto e não estamos disponíveis na hora que o cliente nos procura? Como anda sua estratégia de vendas? Vamos conversar?